08 de janeiro de 2022

A proposta de reurbanização da orla de Balneário Camboriú foi apresentada, no final de semana, durante evento de inauguração da nova praia central e abertura da temporada de verão. O conceito é transformar a orla em um grande parque linear à beira-mar, integrando o pontal Norte e a barra Sul com diversas estruturas de lazer.

A calçada vai, organicamente, atravessando a praia com uma série de atividades, dog parks, playgrounds infantis, academias de ginástica. É uma surpresa atrás da outra, num parque que se desenvolve ao longo de toda a costa”, comenta.

Pela proposta, a calçada atual vai ser alargada e a ciclofaixa vai dar espaço a um corredor de micromobilidade para ônibus elétrico. Haverá uma ciclofaixa só pra ciclista e outra faixa exclusiva para corridas. Hoje, a ciclofaixa é compartilhada e as bikes dividem o espaço com corredores. Já o novo calçadão será um espaço somente para pedestres, com circulação e passeio.

O projeto sugere três tipos de quiosques na orla: os maiores, à beira da areia; os menores, ao longo do calçadão; e os carrinhos, que seriam de uso eventual, em fins de semana e feriados. O design dos quiosques, bem como dos postes de iluminação, dos bancos, das lixeiras, dos bicicletários e de todo o mobiliário urbano seguiria uma mesma identidade. A nova iluminação pretende criar um novo cenário noturno para a praia.

A proposta ainda prevê um “banho de verde” na orla. Segundo o arquiteto paisagista Sidney Linhares, do escritório Indio da Costa, a ideia é integrar a vegetação de restinga ao parque da orla. Além da manutenção das árvores existentes, serão plantadas, praticamente, três vezes mais do que existe hoje, de forma a criar ambiências em todo o calçadão, sem prejudicar a faixa de restinga.

A próxima obra a ser feita na orla será a implantação das chamadas dunas embrionárias, que prevê a criação de canteiros ao longo da orla, com plantio de mudas para recuperação da vegetação de restinga. Na sexta-feira passada, a prefeitura anunciou a Igara Engenharia Ambiental como vencedora da licitação do projeto. A empresa, de Itajaí, ganhou o contrato com a proposta de R$ 1,2 milhão contra a de Gustavo Egg Monteiro Pereira, de quase R$ 1,4 milhão. Agora, corre o prazo recursal e, não havendo contestação, o resultado segue para homologação. A empresa terá prazo de 27 meses para executar o projeto a partir da ordem de serviço. A recuperação da restinga prevê mais de 33 mil mudas de espécies características da vegetação costeira. As plantas vão ocupar parte da faixa de areia e ficarão juntas ao novo calçadão. O projeto faz parte das condicionantes ambientais do alargamento e a data do início do plantio será definida junto com o instituto de Meio Ambiente, órgão licenciador da obra.

 

Serão 61 canteiros de restinga ao longo da orla, separados por trilhas de acesso à praia. Além do plantio das mudas, o contrato prevê a construção de cercas de proteção, colocação de placas informativas, controle e retirada de espécies exóticas, irrigação e monitoramento da vegetação com a elaboração de relatórios técnicos.

As sugestões mostradas no vídeo diferem das primeiras propostas do projeto, que previam parques junto aos molhes do pontal Norte e na barra Sul, com deques, pistas de skate e quadra esportivas, entre outras áreas de lazer na praia já alargada. A proposta gerou críticas de ocupação exagerada na época que imagens do projeto vieram a público. Na nova proposta, os atrativos ficariam distribuídos ao longo da orla.

O projeto prevê áreas para as canchas de bocha e quadras de vôlei de praia e beach tênis. O acesso para a faixa de areia seria por deques de madeira instalados entre os canteiros de restinga. “A gente acredita que as cidades podem ser mais humanas, podem ser mais verdes, podem ser mais agradáveis. O dia a dia das pessoas será completamente transformado por esse novo parque”, defendeu Guto Indio da Costa, no vídeo de apresentação.

O projeto ainda será entregue, oficialmente, ao município pelo instituto +BC, entidade social que reúne empresários e que bancou a elaboração. A prefeitura informou que a proposta será apresentada e discutida com a comunidade, sem data ainda prevista, para receber sugestões e passar por mudanças até chegar ao projeto final.

Por: Bruno Cassola